Projetos de Pesquisa

Como investigação da Linha de Pesquisa História da Museologia Baiana, do grupo de pesquisa observatório da Museologia Baiana, do Programa de Pós Graduação em Museologia da UFBA, este projeto é voltado para a identificação de elementos relacionados às culturas africanas e afro brasileira, presentes nos acervos de museus da cidade de Salvador, buscando inventariar e refletir sobre as práticas curatoriais adotadas para estes objetos.

Ano: 2015 - Atual.

Professor:

Marcelo Nascimento Bernardo da Cunha

Estudantes:

Fernanda Costa Athayde; Raquel Paim

Esta investigação desenvolvida na Linha de Pesquisa Museologia e Memória Afro-Brasileia, do Grupo de Pesquisa Observatório da Museologia Baiana, é um desdobramento e aprofundamento das reflexões sobre a ação da polícia no processo de controle e repressão aos terreiros de candomblé na cidade de salvador, a partir do projeto Coleção Estácio de Lima - Tratamento, Estudo e Divulgação de uma coleção testemunha da intolerância. Nesta fase nos dedicamos à leitura dos Boletins de Ocorrência e outros documentos produzidos pela DJG, bem como notícias em jornais sobre a ação desta Delegacia. Inicialmente o projeto está sendo desenvolvido apenas com a participação de bolsista de pós-doc, do Programa de Pós Graduação em Museologia - PPGMUSEU/UFBA, que é supervisionada pelo autor do projeto.

Ano: 2015 - Atual.

Professor:

Marcelo Nascimento Bernardo da Cunha

Estudantes:

O projeto privilegia o estudo do campo museal relacionado à constituição do patrimônio cultural na Bahia (século XX) - vinculado ao PPG Museu e ao PPG História/FFCH/UFBA e ao GP Observatório da Museologia na Bahia (CNPq). A problematização aponta para a lacuna de estudos sobre determinadas manifestações museais, caso de exposições, coleções e museus segundo a perspectiva de processos de musealização, território da Museologia. A hipótese de trabalho pauta-se na observação de que essas manifestações, levadas a cabo por agentes mobilizaram discursos e práticas consubstanciando concepções sobre o patrimônio cultural regional e local marcado por traços singulares. O projeto objetiva rastrear conexões entre discurso, processos e práticas os quais se acredita acionaram efeitos culturais a ponto de definir o campo museal e o patrimonial na Bahia, seguindo princípios específicos de concepção, funcionamento e organização. Pretende-se identificar: a) as matrizes ideológicas que inspiraram os agentes sociais e culturais baianos no emprego de processos de musealização (práticas museais); b) os traços discursivos recorrentes apresentados pelos agentes; c) os pontos de articulação entre o campo museal e a geração de concepções para a preservação do patrimônio cultural regional e local; d) averiguar se essas práticas contribuíram ou não para fixar e consolidar o patrimônio cultural na Bahia. Nessa angulação convergem dois objetivos amplos: a identificação dos aspectos particulares do que poderíamos chamar provisoriamente ?museologia na Bahia?, e a contribuição para ampliar o escopo da historiografia da Museologia no Brasil.

Ano: 2013 - Atual.

Professor:

Suely Moraes Ceravolo

Estudantes:

Cinthia da Silva Cunha; Paula Coutinho;  Tatiana Alves de Almeida; Rafaela Caroline Noronha Almeida; Iraci Oliveira dos Santos; Silvana M. M.B. de Almeida Castro.

A pesquisa visa discutir o processo de patrimonialização do Parque Metropolitano do Abaeté e do Parque de São Bartolomeu. A proposta que postulamos se inscreve em uma linha de investigação que toma como objeto o processo de construção patrimonial, entendido enquanto articulação complexa entre ação do Estado, significados sociais, econômicos e políticos. Esta perspectiva opta por analisar também a patrimonialização como um processo dinâmico, buscando, refletir tanto sobre as concepções de cultura, identidade e memória que os discursos e as práticas dos organismos estatais, responsáveis pela preservação e manutenção do parque, colocam em ação, quanto sobre a reapropriação simbólica produzida pelos moradores locais neste contexto de transformação.

Ano: 2001 - Atual.

Professor:

Sidélia Santos Teixeira

Estudantes:

As coleções do Núcleo de Memória da Escola de Enfermagem ilustram o fazer cotidiano da Escola de Enfermagem, enquanto instituição educacional que privilegiou, durante vinte e três anos, um processo de formação amplo de estudantes do sexo feminino. Essa instituição foi criada em 1947, tendo sido destinada para pessoas deste sexo até o final da década de 1960. A análise desse patrimônio permite explorar aspectos relacionados à história das mulheres e a sua participação na construção da área de Enfermagem na Universidade Federal da Bahia. Procura-se analisar suas coleções por meio de uma descrição contextualizada dos objetos, seus usos e sua história. Este trabalho evidencia que o acervo preservado é uma fonte de informação, devendo ser explorado pela produção de novos conhecimentos relativos à história da participação das mulheres nesta instituição. Os objetos são considerados fontes históricas, como também as correspondências, as fotografias, os depoimentos, as entrevistas, os jornais e o próprio prédio da Escola de Enfermagem da UFBA. A diversificação desses referenciais históricos permite uma leitura mais ampla e diversificada do acervo preservado. A metodologia do trabalho prioriza estudo do acervo, a análise bibliográfica e arquivística, coleta de depoimentos orais, realização de entrevistas, bem como execução de atividades voltadas para o tratamento, sistematização e divulgação das coleções. Alguns documentos, a exemplo dos relatórios de estágios, evidenciam a prática da enfermagem em locais onde a relação de gênero é bastante evidenciada. O acervo da EEUFBA indica também, principalmente pela coleção de fotografias, a construção de uma história permeada de lutas, dificuldades e conquistas de uma categoria profissional que precisava afirmar-se no campo da biomedicina, no quadro da Universidade e das sociedades baiana e brasileira. Portanto, longe de um referencial histórico consolidado que, muitas vezes, insiste em corroborar uma visão passiva e submissa.

Ano: 2007 - Atual.

Professor:

Sidélia Santos Teixeira

Estudantes:

Este projeto de pesquisa destaca a coleção pioneira do MAFRO/UFBA, visando compreender a sua história na dimensão de coleção-documento-testemunha, a partir da perspectiva decolonial, dando ênfase aos novos estudos sobre arte africana, avançando no campo das pesquisas sobre a descolonização do conhecimento. Esta pesquisa está na sua terceira fase, estuda uma coleção de doze cópias de importantes obras que se constituem como referências da arte centro-africana, destacadas nos principais livros e catálogos especializados. As cópias foram doadas, em 1962, pelo Museu Real da África Central (Tervuren-Bélgica). Pretende-se ao final do processo de estudo produzir uma narrativa escrita com diversas vozes (livro-catálogo) e uma narrativa expositiva, que tratarão dos aspectos relativos às implicações e entrelaçamentos das histórias que envolvem a coleção original e as cópias, os diversos sujeitos e instituições, que são particularmente marcados por suas características identitárias. Ao propor o estudo esta produção escultórica específica África Central na dimensão de coleção-documento-testemunha, não se trata tão somente de uma opção teórica, mas metodologicamente implica numa série de planos e ações que se entrelaçam à perspectiva de descolonização do conhecimento. Este processo de pesquisa pretende escutar as vozes das cópias que, mesmo tendo sido elaboradas com a frieza do gesso, são artefatos da cultura material, são produtos de relações humanas e carregam em si um potencial de informações que lhes dá sentido material e simbólico. A tarefa de traçar essas narrativas se alinha aos estudos voltados para a compreensão da vida social das coisas ou biografias dos objetos. Com base na experiência adquirida entre 2011 e 2014, quando desenvolvemos projetos de estudo da coleção capoeira do MAFRO, com apoio financeiro para bolsas de IC - PIBIC/UFBA/CNPq/FAPESB, estamos mais uma vez apostando na possibilidade de finalizar este projeto com a publicação, através de editais específicos, assim como buscar os financiamentos para o projeto expositivo.

Ano: 2017 - Atual.

Professor:

Joseania Miranda Freitas

Estudantes:

Este projeto objetiva a realização de uma investigação caráter teórico e empírico no campo da concepção e manutenção de museus na internet (museu virtuais, cibermuseus, museus digitais...) através das funcionalidades da WEB 2.0, tendo como resultado final o lançamento do Museu Virtual da Associação Cultural Bloco Carnavalesco Ilê Aiyê. Esta instituição cultural é uma das referências locais no panorama mundial da diáspora africana, recebendo vários prêmios e homenagens nacionais e internacionais pelo seu trabalho educativo e inclusivo para populações negras. Busca-se elucidar a melhor forma para a aquisição, criação, preservação, divulgação e exposição dos documentos e informações sobre esta e outras instituições culturais afro- baianas de modo a incrementar a sua produção cultural e promover a gestão compartilhada dos discursos sobre a sua memória. Este projeto está sendo desenvolvido em nível de pós-doutorado junto ao CETAC.MEDIA - Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação, unidade de investigação na Universidade de Aveiro / Departamento de Comunicação e Artes que investiga e forma em pós-graduação na área científica de Ciências e Tecnologias da Informação e da Comunicação. Derivou-se das conclusões parciais do pós-doutorado aplicação dos conceitos da concepção de espaços à plataformas móveis e também a análise de outros elementos e recursos da cultura digital na concepção de espaços em museus presenciais.

Ano: 2016 - Atual.

Professor:

Rita de Cassia Maia da Silva

Estudantes:

Lidia Oliveira; Pedro Beça

O objeto deste projeto é o ex-voto, testemunho colocado através da desobriga em salas de milagres de igrejas e santuários católicos, em formas variadas de bilhetes, cartas, esculturas, quadros pictóricos, fotografias, mechas de cabelo, CDs, DVDs, monóculos, enfim uma infinidade de objetos que ficam no espaço denominado ?de milagres? por desobriga, e em museus como coleções. O Projeto tem origem numa pesquisa iniciada na década de 1990, que procurou analisar os ex-votos das salas de milagres da Bahia, com o estudo dos ex-votos de doze salas de milagres e três museus com acervo ex-votivo. Além de ter criado o BDI (banco de dados iconográficos) e textos sobre as romarias, histórias locais e os ex-votos, concretizou o Projeto Ex-votos da Bahia em 1999. Com título e temática voltados para os Ex-votos do Brasil, foi aprovado em maio de 2006 pelo CNPq, proporcionando apoio à pesquisa de campo nas salas de milagres dos santuários do Brasil. Desde então o Projeto obteve, a cada ano, bolsistas do PIBIC, Sistema Permanecer, FAPESB e CNPq-AT NM, NS e IC. Em 2009, passou à ?etapa museus?, aprovado pelos editais CISO, UNIVERSAL e PQ-2, do CNPq, quando, além da análise dos ex-votos em salas de milagres, objetivou estudar os ex-votos musealizados. Na presente proposta há três metas acadêmicas. A primeira, e evidente, é a pesquisa de campo, que visa documentar e analisar os ex-votos dos principais santuários e museus do México; a segunda meta, com toda coleta da pesquisa, visa atualizar, divulgar e partilhar a pesquisa nos dois portais do Projeto: www.ex-votosdasamericas.net e www.nucleodepesquisadosex-votos.org , já on-line há mais de um ano, para apoiar os estudos de pesquisadores e estudantes. A última meta, já concretizada, é a manutenção e manteneção do Núcleo de Pesquisa dos Ex-votos (NPE), que desde 2008 está voltado para estudos sobre o presente tema, direcionado à pesquisa e extensão na UFBA, colaborador dos museus que possuem ex-votos, de pesquisadores, e base para articulações dos Projetos aqui mencionados. A escolha por iniciar a fase ?México? reflete na riqueza e tradição ex-votiva no México, cuja percepção foi obtida com o ?guarda chuva? Ex-votos das América; como também na importância e similitude da tipologia ex-votiva e das salas de milagres como as investigadas no Brasil, principalmente em termos iconográficos e gramaticais. Pretende-se, após essa etapa, ampliar os estudos para possíveis fases no próprio México, e dai para os subsequentes países: EUA, países da América Central e Porto Rico, até, em futuro mais distante, chegar à fase ?América do Sul?, ainda mais densa, com vastos acervos em salas de milagres e museus. Todo esse intuito se prende ao campo das Ciências da Informação, notadamente à teoria da informação e à folkcomunicação, áreas que se reservam ao estudo dos fluxos e trocas de informação e ao estudo da cultura popular, sua expressividade e processo comunicacional, respectivamente. Nesses caminhos, estão a iconografia, a análise do discurso e a semiótica, campos definidores que ajudarão na compreensão das mensagens escritas, pictóricas e escultóricas, para percepção do universo do indivíduo e coletividade, que recai para a memória social, pois os ex-votos são fontes da história contínua e cotidiana do indivíduo, do lugar, de uma região e de uma nação.

Ano: 2013 - Atual.

Professor:

José Cláudio Alves de Oliveira

Estudantes:

Genivalda Cândido da Silva; Natália Marques da Silva; 

Objetiva estudar o acervo africano com vistas a dar subsídios ao projeto de requalificação da exposição de longa duração. Como ponto de partida trabalha-se os metais, que intitulamos de joalheira do MAFRO e o grupo de acervos em cerâmica e terracota de origem africana.

Ano: 2016 - Atual.

Professor:

Maria das Graças de Souza Teixeira

Estudantes: